terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Vamos então à segunda (e última) parte da nossa visita a Viena. Estes artigos são apenas de fotos com pequenas descrições daquilo que fizem...

Vamos então à segunda (e última) parte da nossa visita a Viena. Estes artigos são apenas de fotos com pequenas descrições daquilo que fizemos/vimos na cidade, depois farei outros mais concretos (sobre hotel, comida, transportes, etc).
Nós ficamos 3 noites em Viena mas apenas aproveitamos 2 dias completos. Ou seja, chegamos num dia já a meio da tarde (exaustos da viagem de comboio) e fomos directos para o nosso hotel que ficava fora do centro da cidade. Mas já vos falei do dia da chegada e do primeiro dia completo AQUI, vão lá ver tudinho. 

No segundo dia completo (e último) após o pequeno almoço apanhamos novamente o metro, mas desta vez não fomos para o centro da cidade. O nosso destino estava decidido e seria o Palácio Schonbrunn. 
Apesar de ficar fora do centro, consegue-se ir de metro até bem pertinho do palácio. Depois, uma pequena caminhada e chegamos.
É imponente e deixa qualquer um de boca aberta. Tanto eu como o Bruno amamos, vale muito a pena a deslocação.
A entrada nos jardins é gratuita, mas para visitar o palácio, o zoo e o museu dos coches paga-se (não sei valores). Honestamente, na minha opinião, só a visita aos jardins vale muito a pena. Ficamos lá quase a manha toda.

Palácio Schonbrunn
Palácio Schonbrunn
Fonte de Neptuno


A vista do alto da colina


Gloriette 

Fonte de Neptuno

De regresso ao centro da cidade passamos pelo Naschmarkt, para quem gosta de mercados é de visita obrigatória. Como estávamos na hora de almoço, decidimos comprar alguns petiscos e almoçar num jardim bem perto, o Resselpark. 

Banca onde compramos uns deliciosos apfel strudel.

Naschmarkt

Naschmarkt

Naschmarkt

A caminho do jardim passamos pela Secession onde apenas paramos para tirar fotos.

Secession
Aproveitamos o almoço para descansar, ali mesmo com a natureza.
O jardim fica ao lado da Karlskirche - Igreja de S. Carlos Borromeo, uma igreja muito bonita.

Karlskirche
De lá caminhamos até ao Palácio Belvedere, onde mais uma vez não visitamos os museus mas aproveitamos muito dos jardins que são magníficos. Incrível como esta cidade tem tantos espaços verdes e todos de acesso gratuito. Locais tão bem cuidados e lindos de morrer. Estivemos um bom tempo a apreciar o jardim, as pessoas que por lá andavam, tiramos imensas fotos e sentamos a descansar pois a caminhada já tinha sido grande. 
Este palácio é engraçado porque é constituído por dois palácios, o Baixo Belvedere e o Alto Belvedere. Os dois estão ligados por um belíssimo jardim.
Jardins do Palácio Belvedere

Alto Belvedere ao fundo

Uma das muitas fontes

Alto Belvedere
Baixo Belvedere

Os jardins e o Alto Belvedere ao fundo
Faltava-nos pouco tempo para regressar ao hotel mas ainda conseguimos visitar o Stadtpark, conhecido pelos seus monumentos a compositores e artistas de Viena. Este jardim tem ainda alguns quiosques onde aproveitamos para comprar algumas recordações.



Talvez a estátua mais fotografada de todas - Johann Strauss

Franz Schubert
Desta forma chegou ao fim a nossa visita, regressamos ao hotel para descansar de onde saímos apenas para jantar. No dia seguinte, após o pequeno almoço, fomos directos para a estação de comboios de formar a viajarmos para Budapeste.

Viena é uma cidade magnífica, que eu amei e onde deixei o meu coração.
Espero que tenham gostado deste resumo da cidade.

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Fui aos últimos dias de saldos à procura de pechinchas. No Instagram mostrei-vos uma foto e recebi mensagens de algumas pessoas a pedir...


Fui aos últimos dias de saldos à procura de pechinchas. No Instagram mostrei-vos uma foto e recebi mensagens de algumas pessoas a pedir para mostrar em vídeo o que comprei. Apesar de serem poucas peças, resolvi fazer e mostrar-vos tudo!

Aqui fica o vídeo, espero que vocês gostem e já sabem: subscrevam o canal, comentem e deixem ficar o vosso like!!!! 
Desde já, obrigado a todos por assistirem.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Casei em 2014, mais concretamente em Julho. Já vivíamos juntos quando "demos o nó" e já tínhamos a nossa casa completamente equip...

Casei em 2014, mais concretamente em Julho. Já vivíamos juntos quando "demos o nó" e já tínhamos a nossa casa completamente equipada. Decidimos então casar com o compromisso de fazermos um casamento dentro do orçamento e, acreditem no que vos vou dizer, não mudava absolutamente nada. 
No dia que decidimos dar este passo fizemos logo a lista de convidados, que poucas alterações sofreu nas semanas seguintes. Estabelecemos um valor e tudo o que decidimos a partir daí foi com base nesse mesmo orçamento. 


Quando, por vezes me dizem que, casar fica muito caro porque cada vez há mais coisas na moda e que "levam o dinheiro todo", eu costumo sorrir. Sim, nós tivemos alguns apontamentos "da moda", tivemos alguns serviços que consideramos importantes (como as sobremesas que foram as melhores de todas, ou o animador que durante 1 hora colocou toda a gente a dançar e a fazer coreografias). Na igreja tivemos um coro que ainda hoje, alguns convidados me dizem, ter sido absolutamente arrepiante (e foi, eles cantavam que se fartavam). 

Mas o nosso casamento também nos deu muito trabalho. Fizemos os convites, algumas decorações das meses, as lembranças, o placard da distribuição dos convidados, livrinhos com actividades, as ementas, entre outras coisas. Deu trabalho ficar dentro do nosso orçamento, mas volto a afirmar, não mudaria absolutamente nada. 

A pensar em todas as pessoas que querem casar e precisam de ajuda/inspiração para cumprirem um orçamento relativamente pequeno, resolvi pegar neste tema e escrever alguns artigos. Este é o primeiro e conto trazer-vos várias inspirações e relatos na primeira pessoa. 
Já agora, deixem dicas na caixa de comentários, quais foram os vossos truques para terem um casamento bonito e elegante mas por pouco dinheiro? Contem-me tudo e aguardem, brevemente irão começar a surgir os meus artigos casamenteiros.


quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

No verão passado somos fazer umas das viagens que planeávamos há algum tempo. Durante uma semana visitamos Praga, Viena e Budapeste, com li...

No verão passado somos fazer umas das viagens que planeávamos há algum tempo. Durante uma semana visitamos Praga, Viena e Budapeste, com ligação entre as três cidades de comboio. Toda a viagem foi incrível. As três cidades são diferentes umas das outras, cada qual com o seu encanto e a sua beleza. Mas Viena... oh Viena foi, das três, o meu grande amor. Aquela que roubou o meu coração. Tenho de vos confessar que levava as minhas expectativas muito elevadas porque desde criança, muito por culpa dos filmes da princesa Sissi, eu sonhava conhecer esta magnífica cidade. Mas Viena correspondeu à altura das minhas expectativas e eu regressei arrebatada, apaixonada e com a promessa de voltar.
Hoje mostro-vos algumas fotos de Viena. 

O nosso hotel ficava mesmo ao lado do Prater (o parque de diversões). Por isso, no dia que chegamos à cidade, fomos para o hotel e depois aproveitamos para visitar o parque (a entrada é gratuita) e jantamos por lá. 
Parque de diversões Prater
Parque de diversões Prater
Jantar num dos restaurantes do Prater
No dia seguinte, após o pequeno almoço no hotel, apanhamos o metro para o centro da cidade com o dia bem planeado.
Começamos por visitar o palácio Hofburg, no qual entramos a vimos as três exposições - a prataria da corte, o museu Sissi e os apartamentos reais. Infelizmente não se pode tirar fotografias nos apartamentos mas para mim foi uma emoção muito grande estar naquele local. Pagamos 12,90€ cada um para ver as três exposições, com direito em audioguia. Não havia audioguia em português, optamos por usar em castelhano e correu muito bem. Acreditem que é muito diferente fazer a visita com o audioguia e todas as explicações, é possível repetir, caso não se tenha apanhado tudo, uma maravilha. Nós adoramos! Mesmo o Bruno que não é dado a estas histórias de princesas e príncipes, saiu de lá encantado. 

Quando saímos da visita ao Hofburg já a manha tinha passado (acreditem, nem notamos o passar das horas) e estava na altura de procurarmos algo para almoçar. Ainda demos uma volta por aquela zona, fomos à praça Maria Teresa e ao Museumsquartier que é simplesmente incrível.
Depois de almoço vagueamos pelo centro da cidade e apanhamos um pouco de chuva o que atrapalhou um pouco.
Fomos à Catedral de São Estevão e terminamos o dia em frente ao Rathaus que estava super animado e onde havia um festival de comida internacional. Aproveitamos e jantamos por lá antes de regressar ao hotel.

Palácio Hofburg
Palácio de Hofburg
Palácio Hofburg

Praça Maria Teresa 

Um recanto bem pitoresco no centro de Viena

Judenplatz Holocaust Memorial (um monumento ao Holocausto que me tocou bastante)

Catedral de São Estevão

Interior da Catedral de São Estevão

Interior da Catedral de São Estevão

Rathaus (um antigo palácio que serve agora como Câmara Municipal e Parlamento)

Rathaus

Rathaus

K.K. Hofburgtheater (Teatro Nacional Austríaco) 

(continua...)

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Eu amo Barcelona. É daquelas cidades (juntamente com Roma) para onde eu me mudava já. E tenho imensas saudades de Barcelona... Mas enquanto...

Eu amo Barcelona. É daquelas cidades (juntamente com Roma) para onde eu me mudava já. E tenho imensas saudades de Barcelona... Mas enquanto não volto a esta bela cidade, deixo-vos com mais um artigo sobre ela. Desta vez escrevo-vos sobre as comidas mais tradicionais de Barcelona (ou aquelas que eu mais gosto). 
Já agora, se ainda não viram, aqui no blogue eu publiquei um guia Top 10 sobre a cidade, podem consultar tudo AQUI.

1- Pa Amb Tomáquet

Foto de Jaula de Ardilla
Podem acreditar que esta iguaria está presente em quase todas as mesas de Barcelona e que vos vai aparecer muitas vezes à frente nos mais variados restaurantes. Apesar de ser algo muito simples, o pa amb tomáquet é delicioso e vale bem a pena experimentar. Trata-se de fatias de pão torrado no quando é esfregado um tomate bem maduro. Por vezes acrescentam-lhe outras coisas como um fio de bom azeite, queijo ralado ou até um pouco de presunto.


2- Coca de Montserrat

Foto de La Cocina de los Inventos
As cocas são extremamente populares na Catalunha e não, não me estou a referir à droga. A coca é uma massa bem fininha, uma espécie de massa de bolo e existe desde as versões salgadas às doces. Julgo que a mais conhecida será a coca de Montserrat ou Montserratina, massa coberta com açúcar e perfeita para acompanhar um café. 

3- Esqueixada de bacallà


Este prato de bacalhau lembra-me muito Portugal, mas é um prato mediterrâneo no melhor significado da palavra. Segundo apurei, o bacalhau salgado chegou à Catalunha por influência do País Basco, local onde se come bastante o nosso fiel amigo (espero não estar a dizer nenhuma asneira).
A Esqueixada de bacallà é preparada com lascas de bacalhau cru, tomate, cebola, pimentos, azeitonas pretas e um delicioso vinagrete para ligar tudo. Digam-me, lembra ou não Portugal? Eu só sei que é uma delicia. 

4- Crema Catalana


Claro que ao falar de comida catalã, não se pode deixar de parte o crema catalana. Muito semelhante ao nosso leite creme, ou ao crème brûlée francês, servido com aquela crocante "capinha" de açúcar no topo, faz as delícias de todos, adultos e crianças. 
Se forem a Barcelona (ou a outro ponto da Catalunha) não deixem de experimentar este que, pode ser quase considerado um cartão de visita.

5- Butifarra

Foto de Jeremy Keith
Para terminar este top 5 elegi a butifarra. 
Trata-se de uma espécie de salsicha elaborada com carne de porco picada e especiarias. Foi considerada durante muito tempo uma comida humilde, mas nos dias que correm essa imagem tende a desaparecer. Muitos são os restaurantes especialistas nesta iguaria, com apresentações gourmet e versões bem diferentes e deliciosas. Já sabem, não deixem de experimentar este tradicional prato catalão.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Vamos lá tentar manter este espaço minimamente activo!! Hoje trago-vos 5 dicas para vos ajudar a poupar dinheiro enquanto cozinham. Se t...


Vamos lá tentar manter este espaço minimamente activo!! Hoje trago-vos 5 dicas para vos ajudar a poupar dinheiro enquanto cozinham. Se tiverem outras dicas que gostassem de partilhar, por favor deixem ficar nos comentários.

1- Utilize todas as partes do frango

Já falei sobre isto no meu blogue O Prazer da Cozinha. Se eu comprar um frango inteiro e partir antes de descongelar, normalmente fico sempre com a carcaça e o que faço é congelar também. Quando tenho várias carcaças de frango descongeladas, deixo descongelar, faço caldo e depois de frio, retiro toda a carne dos ossos, limpo de peles e faço um refogado com ela. É perfeito para rechear crepes, fazer lasanha, um arroz de forno, etc. Podem ler mais sobre isto AQUI.

2- Diminua o consumo de carne

Faça uma ou duas refeições vegetarianas (ou ovolactovegetarianas) por semana. Estipule um dia para ser o dia vegetariano aí de casa, como a tão já conhecida, segunda feira sem carne. Faça hamburgueres de feijão preto, tacos vegetarianos com feijão, abacate, milho... há imensas receitas que podem fazer e vão ver que ajuda a diminuir a conta do supermercado.
Algumas receita ovolactovegetarianas AQUI.


3- Não compre leguminosas em lata, opte pelas secas

Sim, a maioria das pessoas pensas que comprar leguminosas como o feijão, o grão ou as lentilhas, já cozidos e em lata fica mais barato. Um erro completo! As lentilhas então, já cozidas são muito mais caras do que as secas. 
Comprem estes artigos secos, se puderem procurem nos mercados de frescos, deixem demolho de um dia para o outro e depois cozinhem. Para ser mais rápido, podem cozer na panela de pressão. Vocês vão ver que uma chávena de leguminosas secas rende imenso!
Depois de cozidos podem colocar em caixas e congelar. Assim têm sempre feijão e grão pronto a usar.

4- Compre cortes de carne grandes e mais baratos

Sim, quem me segue há muitos anos já sabe que eu adoro sobras! Não há nada, e repito nada, que vá para o lixo. Se sobre uma bochecha de porco estufada eu congelo, um pouco de arroz, uma perna de frango, etc, etc. E sou completamente a favor de comprar cortes grandes de carne, cozinhar e depois guardar para futuras refeições. Em relação aos cortes mais baratos, eles têm de ser cozinhados a baixa temperatura durante muito tempo mas, não há nada melhor! Uma barriga de porco assada lentamente dá um jantar delicioso e umas futuras sandes de carne desfiada, de comer e chorar por mais e este é só um exemplo.

5- Não estregue as cebolas

No outro dia estava a conversar com a minha mãe sobre cebolas e chegamos à conclusão que elas se estavam a estragar. Tão depressa estavamos a conversar como colocamos as mãos na massa. Descascamos todas as cebolas que tinhamos comprado, metade colocamos no processador para picar, a outra metade cortamos em rodelas finas com a mandolina. Das cortadas em rodelas, uma boa parte fizemos cebola caramelizada e tudo o resto congelamos em caixinhas, metade para mim e metade para a minha mãe. Não se estragou nada e acabamos por ter o trabalho adiantado na hora de preparar as refeições. E que jeito que dá! Por isso, não deixem as vossas cebolas estragarem-se, congelem!


quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

O ano passado partilhei com vocês a formula que encontramos para adaptar o desafio de poupança das 52 semanas à nossa realidade. Como vos d...

O ano passado partilhei com vocês a formula que encontramos para adaptar o desafio de poupança das 52 semanas à nossa realidade. Como vos disse no ano passado, este desafio é simples de aplicar mas ao longo no ano a situação pode complicar-se.

Este ano resolvi fazer um vídeo a explicar tudo sobre este desafio e sobre a nossa vertente. Espero que vejam e deixem o vosso feedback:


Para aqueles que ainda não estão familiarizados com o desafio das 52 semanas eu passo a explicar, consiste em poupar todas as semanas o correspondente ao número da semana. Ou seja, na primeira semana do ano poupar 1€, na segunda semana 2€, na terceira semana 3€ e por aí a diante até chegarmos à última semana do ano e poupar 52€, chegando ao final do ano com mais de 1300€ poupados. Mas é aqui que tudo se complica, o desafio começa muito fácil, no mês de Janeiro apenas temos de colocar na poupança 10€ mas com o avançar das semanas vai-se complicando, por exemplo, no último mês do ano teremos de colocar 202€. 

Sendo assim, o que decidimos fazer foi pegar na essência do desafio das 52 semanas e adapta-lo de forma a ser mais fácil e não termos a tendência de desistir a meio. Desta forma não chegamos ao final do ano com 1300€ mas chegamos com 700€ e a sensação de dever cumprido.

Ora o nosso desafio começa exactamente da mesma forma, até que tudo muda à 27ª semana do ano. Então, na semana 1 poupamos 1€, na 2 poupamos 2€ e por aí fora até que na semana 26 poupamos 26€, na semana 27 poupamos 26€, na semana 28 poupamos 25€ e na última semana do ano poupamos 1€. Ou seja, até meio do ano vamos poupando o valor igual ao número da semana e depois o valor começa a decrescer, tal como podem ver na imagem. 
Desta forma chegamos ao fim do ano com 702€. 




Este foi o plano que encontramos para nós mas existem muitas outras ideias. Por exemplo, podem poupar em dinheiro, metade no "número" da semana. Ou seja, na primeira semana 0,50€, na segunda 1€, na terceira 1,50€ até que na última poupavam 26€. Com esta solução chegam ao final do ano com um saldo de 689€.
Outro exemplo, podem fazer o desafio mas dos 12 meses. No primeiro mês colocam 10€, no segundo mês 20€, no terceiro mês 30€ até que no último colocam 120€. No final o vosso saldo será de 780€. Ou em vez de começarem em 10€ podem começar com 5€ na primeiro mês, 10€ no segundo, 15€ no terceiro até que no último colocam 60€. A vossa poupança seria de 390€. 

Existem várias formas de fazerem o vosso próprio desafio. Sejam criativos, tracem um plano de preferência nos próximos dias para começar bem o ano e acima de tudo tentem cumprir aquilo que estipularam. 

Por cá já começamos o nosso desafio das 52 semanas para 2018. E até já coloquei o valor das primeiras 4 semanas. Gosto de chegar ao início do mês e colocar no mealheiro o valor das 4 semanas seguintes. 

Tenho o plano escrito na minha agenda, tal como vos mostrei no ano passado, e com um marcador fluorescente marco as semanas conforme o dinheiro vai para o mealheiro. 


Espero que este artigo vos seja útil. Já sabem, se precisarem na imagem da tabela que está aqui no artigo em pdf ou a própria tabela em excel enviem email para geral@oprazerdacozinha.com com os vossos pedidos.
Que seja um 2018 poupadinho :)